O castelo das mulheres

Junto com Chambord, Chenonceau é um dos castelos mais bonitos do Vale do Loire. Impressionante não só pela arquitetura, por seus jardins e bosques, mas por sua localização, atravessando o rio Cher, de margem a margem, e deixando um reflexo lindo na água.

chenonceau2

Uma fortaleza medieval da casa nobre de Marques ocupava o local onde fica o castelo, de 1243 a 1512. Em 1513, as terras foram vendidas para o nobre Thomas Bohier que, por influência de sua mulher Catherine Bohier, decidiu derrubar a construção medieval e construir um castelo renascentista no lugar. A única parte da antiga fortaleza conservada foi uma torre, mantida para servir de moradia para o guardião do castelo.

Vale do Loire 096

Thomas e Catherine morreram alguns anos depois do término da imensa obra. O filho do casal teve o castelo e as terras confiscadas pelo rei Francisco I, pela falta de pagamento de dívidas com a coroa. Dizem que, na verdade, a propriedade foi confiscada em 1533 porque o rei estava de olho naquela maravilha tão bem localizada no Vale do Loire.

O poderoso Francisco I passou alguns dias no castelo, acompanhado da família, sua mulher, sua amante oficial e seu filho Henrique II e de amigos, como Catherine de Médice e Diana de Poitiers. Essa ultima tornou-se a famosa amante de Henrique II, desde os 12 anos de idade do príncipe. Alguns anos mais tarde, com 15 anos, ele se casa com Catherine de Médice, que tinha a mesma idade do príncipe, mas continuaria ligado a Diana até a morte, apesar da diferença de 19 anos entre os dois.

O romance de Henrique II e Diana de Poitiers é cheio de lendas, historias e boatos. Dizem que a aproximação de Diana do príncipe ainda adolescente foi idéia do rei, que queria que ela colocasse juízo na cabeça de seu filho. Fato é que, desde que se tornou rei, centralizando o poder, Henrique II sempre deixou muito claro o lugar especial de sua amada. Nunca nenhuma amante tinha tido tamanho poder sobre a monarquia francesa. Henrique II vestia-se sempre de preto e branco, as cores preferidas de sua amada, e escolheu para si o emblema da lua crescente, símbolo da deusa Diana. Existem varias obras de arte que representam a nobre vestida como sua homônima, a deusa da caça, como a tela abaixo, presente em um dos cômodos de Chenonceau:

Vale do Loire 121

Em outras obras, Diana de Poitiers aparece nua, para ressaltar sua lendária beleza, como nessa tela da escola de Fontainebleau:

dianadepoitiers

O rei não mostrava sua adoração por Diana apenas nesses gestos simbólicos. Ele deu a ela jóias, recursos reais e, mais importante, o castelo de Chenonceau. Sob o comando de Diana, o castelo floresceu. Ela mandou construir o corredor do castelo que atravessa o rio e um jardim esplêndido.

Vale do Loire 130

Ampliou a parte construída da propriedade, que administrava muito bem. Apesar da passagem dos anos, parece que Diana conseguia, milagrosamente, conservar sua beleza. Dizem que seu segredo era acordar cedo todos os dias e mergulhar na água fria que banhava o castelo. Dentro do castelo, podemos ver em praticamente todos os cômodos um simbolo real concebido por Henrique II que consistia no entrelaçamento das letras H, de sua inicial, e C, de sua mulher Catherine. As duas letras entrelaçadas acabam formando um D, de Diana.

Vale do Loire 099

Em 1559, Henrique II é ferido seriamente no olho durante um torneio, o que leva a sua morte. A rainha viúva – dizem que por ciume ou talvez tentando mostrar quem realmente manda – retoma Chenonceau e algumas jóias que foram dadas a Diana. A famosa amante é expulsa do castelo encantado e transferida para um palacete menor e menos importante da região. Catherine – essa mulher brava que aparece no retrato abaixo – não mudou as construções de Diana, mas construiria outro jardim no já impressionante domínio de Chenonceau, para rivalizar com o lindo jardim da amante. Hoje, a propriedade tem dois jardins em estilos diferentes: o de Diana e o de Catherine.

Vale do Loire 100

O castelo ficou nas mãos da família real e foi passado como herança para famílias nobres, parentes da realeza, até 1733, quando o duque de Bourbon vendeu Chenonceau para um burguês, o banqueiro Claude Dupin. A esposa de Claude, uma amante das artes, da ciência e da literatura, resolveu transformar o palácio renascentista em ponto de encontro de artistas e intelectuais. No local, ela adaptou laboratórios, salões e teatros por onde passaram intelectuais como Voltaire, Montesquieu, Rousseau e o biólogo Buffon.

Vale do Loire 097

Durante a revolução, a ação de Madame Dupin foi essencial para salvar o castelo de revolucionários precipitados que queriam destruir tudo. Ela teve a simpatia dos líderes da revolução por ter abrigado filósofos de ideais revolucionários e conseguiu convencer os combatentes mais raivosos a manter o castelo, dizendo que ele era a única ponte entre os dois lados do rio. Ela teve que fazer alguns sacrifício pelo castelo. Assim, a propriedade abrigou revolucionários e suas armas e a capela foi transformada em deposito de madeira.

Seus esforços valeram a pena. O castelo foi poupado e, depois do curto período de lutas revolucionarias, o lugar voltou a ter a paz e a graça de antigamente. Foi nesse paraíso que Madame Dupin viveu até sua morte, aos 93 anos. A benfeitora do castelo esta la até hoje, seu tumulo fica no bosque do Chenonceau, hoje visitado por milhares de turistas.

Vale do Loire 113

Chenonceau é conhecido como Château des Dames pela importância que as mulheres tiveram em sua construção e manutenção. Desde 1513, com o planejamento e primeiras construções de Katherine Briçonnet, passando pelo embelezamento da propriedade promovido pelas rivais Diane de Poitiers e Catherine de Médice, até a ação determinante de Madame Dupin, graças a quem o castelo passou incólume à sangrenta Revolução Francesa.

Anúncios

16 Comentários

Arquivado em castelo, feriado, França, jardim, museu, passeio, viagem

16 Respostas para “O castelo das mulheres

  1. Adriana

    Sensacional, Taís! Adorei conhecer essa história. Por um momento, eu me senti passeando por esse castelo também! Obrigada por partilhar com a gente essas descobertas todas!! Beijão!

  2. Nani

    Olá Taís!
    Amei essa historia!
    Sou apaixonada por tudo que se fala de Paris e França em geral.Agora que conheço seu blog (através do blog da Lina) vou ficar de olho.

    Bjs e se cuida!

    Ps.

    Gostaria de algumas dicas sobre fazer o curso de frances em Paris,estou fazendo planos pra ficar 4 semanas somente para estudar essa lingua a qual tenho verdadeira paixão.Ja fiz orçamentos e até agora curso+hotel=2.500 euros fora passagem

    • Oi Nani,
      Eu faço francês aqui numa escola particular, a EFI (http://www.efiparis.com), que foi a mais barata que encontrei na lista de escolas reconhecidas e indicadas pelo governo francês. Tenho algumas criticas à escola, mas eu gosto muito das professoras de la. Então, eu recomendo o curso deles, mas não faça 20 horas de semana la, faça menos, tipo 15 horas. Quem faz 20 horas geralmente é obrigado a fazer, para conseguir o titre de sejour, que foi o meu caso. Mas a escola so da 3 horas de aula por dia e a quarta hora deixa os alunos numa sala, estudando, so pra completar a carga horaria obrigatória, entendeu? Então, eu indico a EFI, mas desde que seja pra fazer 15 horas ou menos por semana.
      Pra ficar so 4 semanas é tranqüilo, nem precisa de visto, vc vem como turista. E o mais importante é aproveitar a cidade, ir aos museus, conhecer tudo o que der tempo, tudo o que vc conseguir. Eh legal comprar um guia antes e se programar porque 4 semanas parece muito, mas passa voando!
      Se precisar de mais alguma dica, me de um toque.
      Beijos!

  3. Ana Mesquita

    Meu Deus! Que história fantástica.
    Todos os seus textos me levam em pensamento para a França, o que só aumenta a minha vontade juntar todos os dinheiros do mundo para conhecer essas maravilhas.
    bjs

    • Ana!
      Vale a pena juntar todos os dinheiros do mundo…rsrsrs ou então, melhor ainda, vc podia ver um mestrado ou, mais tarde, um doutorado com bolsa aqui. Dos paises europeus, a França é a que mais recebe brasileiros. Como eu sei que vc gosta de pesquisa, de repente da certo. Pra gente, é a unica maneira de poder morar um periodo mais longo aqui em Paris, porque essa cidade é muito cara.
      Beijos!

  4. Marília

    Taís,
    adorei conhecer seu blog! Visitei este museu há cerca de um mês atrás e adorei!! Foi um dos passeios que mais gostei na França, e a história do castelo me impressionou!! Já conhecia a história, mas adorei a maneira como você a contou! Parabéns!

  5. Zaine Dupim

    Olá Taís, puxa como foi bom conhecer umpouco dos meus antepassados, digo isso pq sou Dupim, q de acordo com a arvore genealógica feita por alguns de minha familia, de origem francesa, constatou-se que nossa familia Dupin ou Dupim, foi a única a sair da França vindo parar em minas e lá estão muitos deles, inclusive meu avo q nasceu lá. Bjus e parabens. Zaine Dupim

    • kate dupim

      ola tbm sou dupim se puder e tiver me adc no seu orkut e msn estou a fim de conhecer pessoas com o mesmo sobrenome q o meu

    • maria angela monteiro

      oi zaine, minha mae e mineira e se chama vicentina dupin. gostaria de partilhar com vc mais informacoes sobre esta familia, o que sabe?
      um abraco. angela

  6. Geovania Freitas

    Olá Taís

    Sou escritora e estava pesquisando sobre a amante do rei quando me deparei com sua matéria. Estive em Chenonceau em 2006 durante uma temporada em Lyon e de todos os castelos que visitei no Vale do Loire foi o mais bonito que achei. Parabéns.

  7. Thaís Dupin

    foi bom conhecer um pouco da historia do meu sobrenome, =D

  8. Maik Dupin

    Olá Tais!
    Que bom saber um pouco mais da história do nosso sobrenome, ja tinha conhecimento de que dois irmãos tinham saido dai na Revolução Francesa e vieram para o Brasil, um indo pra Minas Gerais, sendo meu tataravô, onde ele disse para os filhos antes de morrer ” nunca deixe o sobrenome Dupin acabar”…fique muito feliz de com tudo isso…será que podemos ter contato?

  9. Mario Dupin

    Obrigado por partilharem uma história linda dos meus antepassados Sou Mario Dupin aqui de São Paulo descendente dos Dupin

  10. Fiquei muito emocionado em ler a história dos meus antepassado, sou Mauro Oliveira, filho de Francisco Oliveira Dupin, tive a felicidade de almoçar com meu avo Zé Dupin e ele me contou sobre o pai dele quando vei da França, moro Cubatão S.P. e deixo aqui um grande abraço e feliz por conhecer a historia da família.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s