A Parada Gay de Paris

Na noite do dia 27 para a madrugada de 28 de junho de 1969 um grupo de frequentadores do bar Stonewall Inn, no bairro de Greenwich Village, em Nova York, decide revidar contra as ações violentas e homofóbicas da policia, que frequentemente fazia batidas nos bares gays. Um travesti conhecido como Sylvia Rivera joga a primeira garrafa  sobre um policial, ato que seria seguido por outras pessoas, causando uma pequena rebelião, fortemente reprimida, com o espancamento e a prisão de homens julgados “muito afeminados”. Durante as 3 noite seguintes ocorrem manifestações e enfrentamentos no bairro. No ano seguinte, grupos de gays e lésbicas voltam ao mesmo estabelecimento para lembrar os atos condenáveis que aconteceram no local. Esse ato, inicialmente espontâneo, foi a primeira manifestação de gay pride (orgulho gay) e deu inicio ao movimento gay em todo o mundo.

A partir de então, outros países começam a organizar, no mês de junho, paradas, desfiles e manifestações que lembram o episódio de Stonewall e colocam em evidência as lutas atuais do movimento. Lutas por direitos ainda básicos, contra a violência e a discriminação num mundo que só recentemente e a duras penas aprende a conviver com as diferentes orientações sexuais. A violência de Stonewall não foi um caso isolado nos EUA, que na época penalizava a homossexualidade em quase todos os Estados. Mesmo na França, país de grandes pensadores humanistas, das manifestações libertarias de 1968, a homossexualidade era considerada um delito até 1982. Depois da despenalização da homossexualidade, foram varias as vitórias do movimento, que ainda hoje tem que lutar contra o preconceito da sociedade, do conservadorismo e das religiões. Em 1999, o país deu um grande passo em direção à igualdade, com o reconhecimento legal das uniões de casais do mesmo sexo, através do PACS (Pacte Civil de Solidarieté). Similar à União Estável brasileira, o PACS da a casais homossexuais ou a casais heterossexuais que preferem não passar pelo tradicional casamento, os mesmos direitos civis dos casais formalmente casados.

Agora em 2009, quarenta anos depois dos episódios de Stonewall, 10 anos depois da aprovação do PACS, a Marche des Fiertés LGBT (Marcha do Orgulho de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgênero) aparece com o tema Fier-e-s de nos luttes, a quand l’egalité reele? (Orgulhoso(a)s de nossas lutas; e quando vira a igualdade real?). A França pode ser menos homofóbica que o Brasil, mas por aqui também acontecem espancamentos e assassinatos por discriminação sexual a ainda ouvimos declarações absurdas de políticos e autoridades.

Altamente politizada, como quase todas as manifestações aqui na França, a Marcha de 2009 foi também um momento alegre, descontraído, uma verdadeira festa que abriu em grande estilo, com a presença da cantora americana e ídolo da comunidade gay, Liza Minnelli.

Parada Gay Paris 004

Parada Gay Paris 011

A Liza ficou só um pouquinho e logo desceu do primeiro carro, mas a gente continuou seguindo a marcha, que tava animada e ao mesmo tempo tranquila, sem muvuca, briga ou comportamentos agressivos. Tudo na maior paz, com homossexuais, heterossexuais, bi, trans, adultos, adolescentes, crianças, famílias, com discursos diferentes, mas levantando a bandeira comum da tolerância, da liberdade e, claro, da festa. Não fomos até o fim da Marcha, porque ontem era nosso primeiro dia de Fête du Cinema, mas conseguimos acompanhar boa parte do começo e ainda demos um pulinho na Bastilha na hora do desfecho. O clima era de carnaval, com musica alta e aquele solzão batendo na cara.

Parada Gay Paris 008

Entre os destaques, como sempre, as roupas das pessoas fantasiadas e o brilho das drags, que não conseguiam dar dois passos sem posar para fotos, de tanto sucesso que fizeram:

Parada Gay Paris 013

Parada Gay Paris 022

Parada Gay Paris 025

Parada Gay Paris 029

Parada Gay Paris 024

Essa família assistia à Marcha com uma placa que dizia: Nosso filho é gay e nós somos felizes!

Parada Gay Paris 016

Teve um carro só de pais de homossexuais e outro de casais homossexuais que têm filhos:

Parada Gay Paris 053

Parada Gay Paris 056E carros das comunidades árabe, judaica, asiática, africana…Teve até carro de gays católicos no mesmo ambiente em que muita gente critica ou tirra sarro de algumas atitudes da Igreja:

Parada Gay Paris 044

Parada Gay Paris 088

Todas as cores, culturas, credos e orientações sociais. Foi um dia colorido, como sempre tem que ser uma parada gay, com franceses em ritmo de carnaval, mais calorosos que o comum. Homens e mulheres andavam com a plaquinha Free hugs e saim distribuindo abraços gratuitos, para todos, para quem quisesse fazer parte da festa. Até o Arthur, que não quis tirar fotos com as drags, se empolgou quando passaram os grupos de meninas sem camisetas, só de soutien. (por que sera, né? rsrsrs) Ta vendo? Tem lugar pra todo mundo na Marcha.

Parada Gay Paris 062

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em festa, fim de semana, Paris

5 Respostas para “A Parada Gay de Paris

  1. Janayna Lui

    Taís,

    Cheguei até seu blogs através de busca de informações sobre a Maison du Brèsil. Embarco em setembro para o doc. sand. na École Pratique des Hautes Études e, se tudo der certo, ficarei hospedada na Maison. Adoro visitar seu blog e ver as fotos dos lugares, onde…se Deus quiser, estarei em breve! Quem sabe, a gente não chega até a se conhecer pessoalmente! abraço, Janayna, do Rio de Janeiro

    • Oi Janayna,
      eu estarei aqui na maison até o fim de setembro. Quando vc chegar é so bater aqui na porta, moro no 400, no 4º andar. Qualquer duvida é so perguntar.
      Beijos,
      Tais

  2. Amei, Taíse!!! Aproveite Paris por nós que sofremos no gelo paulistano! Love u!

  3. oi, tatinha. que legal a parada de paris. tão diferente das coisas aqui. você viu que absurdo que aconteceu em são paulo? triste, né. ver que o mundo caminha, mas a cabeça das pessoas continua pequena. bjs, linda!

    • Fiquei sabendo por cima sim, o Arthur me falou. Eh que tb a parada de SP é muito grande, sempre acontece alguma coisa em eventos lotados. Afinal, nos anos anteriores a coisa não tava tão feia assim, né?
      Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s